Porto e a geminação com Nagasaki

Outras influências portuguesas na cultura japonesa


Quatro jovens da zona de Kyushu, hoje conhecidos pelos " jovens de Omura", familiares de senhores feudais cristãos, foram enviados numa missão a Portugal e Vaticano em Fevereiro de 1582 por sugestão do visitador dos jesuítas, padre Valignamo. regressados a Nagasaki, oito anos depois, os quatro jovens são portadores de novos hábitos culturais , influência do que viram na Europa.Enquanto isso, o Cristianismo propaga-se rapidamente no sul do Japão e dois dos seus mais importantes daimios, D. João Shiki Rinsen em Amakussa e D. Francisco Otomo-Sorin em Bungo __ ficam na história dos "cem anos cristãos" do Japão como ferverosos defensores da fé católica e apoiantes incontestados dos padres portugueses. Julião Nakaura, um dos quatro meninos de Omura está presente no local onde viveu e morreu.



A medicina ocidental (Namban Igaku) foi introduzida pelos portugueses no Japão. É Luís de Almeida, médico e posteriormente jesuíta, quem funda o primeiro hospital e também uma creche começa a tratar os seus pacientes com produtos de farmacologia ocidentais. Hoje é recordado em Oita , o antigo reino do Bungo, com estátuas e com um hospital a que foi dado o seu nome. Luís de Almeida foi igualmente responsável pela introdução de novos hábitos alimentares nomeadamente o aleitamento das crianças. No hospital Luís de Almeida, em Oita, uma sala dedicada ao médico jesuíta apresenta uma réplica do que foi o primeiro o primeiro estabelecimento hospitalar montado no Japão em 1557 poucos anos antes dos jesuítas terem proibido que os padres da Sociedade de Jesus exercessem a medicina. Uma estátua de Luís de Almeida em Hondo, na Ilha de Amakussa, recorda que o jesuíta-médico morreu em 1584, naquele local, com 59 anos.


O Museu de Kawaura apresenta hoje uma reprodução da primeira impressora introduzida no Japão no final do século XVI. Um dos mais importantes livros impressos no Japão , aliás em Kawaura, no início do século XVII foi o livro de meditação de Santo Inácio.



Na antiga zona cristã de Nagasaki um padrão assinala que foram os portugueses que introduziram o tabaco no Japão no século XVI. A influência do tabaco por entre a sociedade japonesa espalhou-se rapidamente levando ao aparecimento de caixas destinadas a guardar o tabaco, muitas delas ornamentadas com motivos Namban, que tiveram o seu apogeu no período Edo, ou em peças de artesanato como pratos de laca.





Com os portugueses aparecem as primeiras cartas de jogar no Japão, as karutas, que se tornam um dos maiores divertimentos da classe alta japonesa a partir do século XVII. Também o jogo do gamão, introduzido pelos portugueses logo após a sua chegada ao Japão no século XVI, proliferou por toda a ilha nomeadamente entre as classes mais privilegiadas.



Também o vestuário e a música ocidentais espalharam-se rapidamente pelo Japão onde era moda vestir "à portuguesa" . Os japoneses começam a usar calças, chapéus, capas e botões no seu vestuário , numa tradição que se prolonga por séculos.A música ensinada pelos religiosos dissemina-se poe entre os japoneses, à semelhança de muitos instrumentos ocidentais que se tornam populares como o violino, a flauta, as violas e o próprio orgão. A influência da gastronomia foi enorme prolongando-se até aos nossos dias como é o caso da tempura cujo nome advém possivelmente dos alimentos comidos pelos religiosos durante as temporas religiosas ou o pão-de-ló ainda hoje confeccionado como há 450 anos e chamado de castela.


A navegação portuguesa foi de tal modo importante que em algumas cidades como é o caso de Nishinoomote, capital de Tanegashima, os responsáveis pelo governo local quiseram que o seu museu etnográfico tivesse a forma de uma nau portuguesa em memória dos europeus que ali chegaram pela primeira vez em 1543. A bandeira portuguesa ao lado da bandeira municipal de Tanegashima é hasteada na "Nau" aquando do Festival da Espingarda.


O mais importante festival de Nagasaki, o festival Kunchi, que transforma a cidade numa festa de vários dias, assinala igualmente a presença portuguesa através de uma nau com velas onde se pode ver a Cruz de Cristo e que percorre a cidade. Trata-se de um festival que data do século XVII surgindo logo após a expulsão dos portugueses e a proibição do Cristianismo e que, segundo historiadores, visou congregar a população japonesa em torno de manifestações populares de rua que substituíram as procissões, as missas e as festas populares portuguesas.


A influência Namban estende-se a uma série de artigos de consumo corrente como sejam as caixas para transporte de comidas, algumas com motivos de cartas, outras com figuras de europeus.Os tinteiros da época em caixas de laca são normalmente decoradas com ornamentos Nambans como sejam figuras de portugueses ou a própria "Nau do Trato" .





As arcas de laca e madrepérola que se fabricam entre o período Momoyama e o período Edo são exemplos da influência portuguesa bem como os copos das espadas dos senhores feudais.





Os europeus e mais concretamente os portugueses começam a ser retratados nos painéis da época que ornamentam residências como acontece com esta paisagem de Sakai.


A influência cristã associada à arte deixou para a história estantes de missal de madeira lacadas a negro, decoradas com pó de ouro e prata e com incrustações de madrepérola .Os oratórios de suspender em laca negra com trabalhos dourados e madrepérola marcam a arte Nambam do final do século XVI.Uma jarra com motivos religiosos de origem chinesa, proveniente da zona de Cantão, serviu durante séculos para guardar relíquias cristãs.




Os símbolos religiosos cristãos começam a surgir em utensílios de uso comum e são visíveis em peças de cerâmica para o chá, para arroz ou para bolos.Um vaso de cerâmica azul de branco com o símbolo dos jesuítas servia para guardar água benta para o baptismo enquanto que uma caixa de laca do século XVII era utilizada para hóstias. No Museu de Nossa Senhora de Ariake, em Amakussa, uma cerâmica representando um religioso com um menino esteve oculta durante gerações.




No Museu dos Mártires de Nagasaki uma pintura da Virgem Maria foi conservada ao longo dos séculos por famílias cristãs do sul do Japão servindo para, secretamente, continuarem as suas devoções.


Os cristãos ocultos encontravam as formas mais imaginativas para continuarem a praticar a sua fé durante o período em que a religião Católica foi banida do Japão. Um Buda que se transforma em cruz e uma figura religiosa que, virada, possui uma cruz.No Museu dos Mártires de Nagasaki encontra-se uma estátua de Maria Kannon que era usada pelos cristãos ocultos para rezarem à Virgem Maria enquanto que em Hondo, Amakussa, uma imagem com o menino ao colo servia para recordar a veneração a Maria e Jesus.







Artigos de uso como uma panela em forma de cruz para aquecer água, um candelabro com um português (Museu Namban de Osaka) ou um copo para hóstias (Museu de Hondo, Amakussa) são vestígios do impacto da religião no quotidiano japonês.




Wenceslau de Moraes, diplomata, aventureiro, escritor, inaugura no início do século XX uma nova fase nas relações com o Japão ao se estabelecer primeiro em Kobe e depois em Tokushima.Estátuas e um museu de iniciativa japonesa recordam o escritor português que deixou uma colecção de livros explicativos da vida japonesa e dos hábitos e costumes locais.O seu túmulo em Tukushima juntamente com uma das suas mulheres, Oyone, e o altar que lhe é dedicado no Templo de Tokai, também em Tokushima, são marcos incontestáveis da "peregrinação" ao passado de Moraes.

Imagens e textos (tradução automática), colhidos da internet

Sem comentários:

Publicar um comentário