Porto e a geminação com Nagasaki

Morreu Shigeru Mizuki, um mestre da manga

Shigeru Mizuki


PÚBLICO   01/12/2015

Foi o criador da série GeGeGe no Kitaro, que associa os monstros do imaginário tradicional japonês com os horrores da 2.ª Guerra Mundial.

O lendário autor japonês de mangas Shigeru Mizuki, duas vezes premiado no Festival de BD de Angoulême, morreu esta segunda-feira em Tóquio, aos 93 anos.

Kitaro, a ghost tribe member and also the lead character from Shigeru Mizuki's popular horror manga series

O autor das famosas séries de terror GeGeGe no Kitaro não conseguiu sobreviver às consequências de um acidente pessoal em sua casa, no início de Novembro, que o obrigou a ser hospitalizado e operado na capital japonesa. “Morreu por falência múltipla de órgãos”, noticiou a AFP, citando o própriosite oficial do artista.

Shigeru Mizuki was 93-years-old

Shigeru Mizuki, cujo nome de baptismo era Shigeru Mura, nasceu na localidade de Tottori, no oeste do Japão, a 8 de Março de 1922. Com 20 anos, ingressou no Exército Imperial do seu país, e foi enviado para a Papua Nova-Guiné a combater 2.ª Guerra Mundial – onde viria a perder o braço esquerdo na sequência de um bombardeamento aliado.


Iniciou a sua carreira de desenhador de mangas terminada a guerra, e fez da sua experiência militar, dos horrores que viveu e/ou presenciou, a principal fonte da sua arte. A série que o tornaria célebre, GeGeGe no Kitaro, encena a luta de um rapaz (Kitaro) contra monstros que tanto são inspirados nos fantasmas tradicionais japoneses como nas suas memórias de soldado.

'Creatures in hell want your autograph'

Os soldados japoneses não eram considerados como humanos. Eles eram tratados pior do que os próprios cavalos”, recordou Shigeru Mura, no último Verão, numa entrevista à AFP.

Ao longo da sua carreira, entre os anos 1960-90, Shigeru Mizuki criou uma dezena de séries tornando-se numa referência da manga, o género mais famoso da produção japonesa de BD.

A cobertura de uma parcela de Gegege no Kitaro

Em 2007 e 2009, foi distinguido no Festival de BD de Angoulême, em França, respectivamente com os prémios de Melhor Álbum, por NonNonBa, e Património. No seu país, em 2010, recebeu a distinção de Personalidade de Mérito Cultural. Além das múltiplas edições de álbuns e livros – incluindo mesmo uma biografia de Adolf Hitler, segundo a BBC –, a sua obra e as suas personagens estão imortalizadas num museu com o seu nome, fundado em 2003 em Sakaiminato, concelho de Tottori, sua terra natal, onde se podem ver mais de uma centena de estátuas com as personagens das suas histórias.


Uma das homenagens mais populares para o Sr. Mizuki nos media sociais vieram de um ryokuhatudoumei que twittou uma conversa imaginária entre o "ceifador" e o falecido artista de mangá.
A morte chega e Mizuki pergunta onde está e  levado para onde.
"Para o inferno, é claro."
"Oh meu Deus, terei causado causado tantos problemas?"
"Não. Todos os Yokai (criaturas) no inferno querem o seu autógrafo."

Sem comentários:

Publicar um comentário