Porto e a geminação com Nagasaki

Sumo Paixão nacional dos japoneses

Encontrar um lugar ao sol, mesmo no País do Sol Nascente, é uma tarefa difícil e quase impossível para a maioria dos lutadores e, em menor quantidade, lutadoras de sumô. Em um universo de 700 lutadores, apenas 10% chegam à categoria profissional (sekitori). “Os estábulos têm entre seis e 25 lutadores, mas você encontra alguns onde há dois ou três. A vida ali é puxada, cuidamos da limpeza, das nossas roupas e da própria comida. Até chegar a sekitori, você não tem um salário”, afirmou o ex-lutador Yuki Ozaki.



As tarefas são divididas por hierarquia. Quanto mais novo e inexperiente o lutador, mais tarefas ele tem para concluir. “É preciso se adaptar à vida coletiva. Não existe individualismo. No começo, acordamos por volta de 5h da manhã para o treino (keiko) e temos que servir a refeição dos mais graduados, somos mensageiros e, enquanto isso, eles podem dormir um pouco mais”, disse Ozaki.




Geralmente a dieta de um lutador de sumô chega a 15 mil calorias diárias e são feitas duas refeições por dia, uma por volta de 11h da manhã e outra à noite com o chankonabe, um ensopado composto de carnes e vegetais, condimentos, picles e muitas tigelas de arroz. Cerveja também é permitida.


Rituais incluem atirar sal no rinque para purificação

Yokozuna Hakuho, da Mongólia, recebe o troféu Emperador

Diferentemente dos estábulos, as arenas, como a Ryogoku-Kokugikan, em Tóquio, são o templo para a consagração dos lutadores de sumô. Ali, no dohyo, formado por barro e um círculo de fardos de palha de arroz no centro, eles querem escrever suas histórias na imponente construção em Ryogoku.



Cena de luta de sumo, por volta de 1851

Para os ocidentais pode parecer estranho ou pouco interessante ver dois homens, em sua maioria, grandes e pesados, tentando derrubar um ao outro. Mas, com status de luta desde 1.600, o esporte nacional do Japão, o sumô, tem ligações com as cerimônias religiosas do xintoísmo e rende status de divindades a seus campeões. Eles lutam usando a tradicional mawashi (bandas de barriga) e o cabelo penteado ao estilo oicho (nó de folha), preservando antigas tradições. Respeito para com os oponentes é outro ponto forte desta luta.

Público de 10 mil pessoas lota a arena Ryogoku-Kokugikan

“Se você consegue tirar seu oponente do dohyo é a glória, mas você pontua ao fazê-lo tocar no solo com qualquer parte do corpo que não seja a sola dos pés. Como o ranking não é por peso, é normal ver um lutador menor com um maior. Nessas horas, conta a agilidade e o equilíbrio”, disse ex-lutador Yuki Ozaki. É comum, antes do início da luta, alguns rituais de preparação. Alguns lutadores estendem os braços, batem os pés, se agacham ao encarar o oponente e muitas vezes jogam sal no dohyo para purificação do local.



O lutador de sumô Somagahana Fuchiemon, c. 1850

Com a popularidade semelhante ao dos melhores jogadores de futebol brasileiros, poucos homens chegam ao título de yokozuna. Em toda a história do sumô, são cerca de 70. Os ganhos anuais podem chegar a R$ 4 milhões.

Artigo colhido de





Alguns atletas


Amuru Mitsuhiro

Endo Shota

Hidenoumi Takuya

Kagamio Nanji

Kotoyuki Kazuyoshi.

Kyokutenho Masaru

Satoyama Kosaku

Seiro Takeshi

Takanoiwa Yoshimori

Tokitenku Yoshiaki

Toyohibiki Ryuta

Sem comentários:

Publicar um comentário